sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Jingle Bells ou Banquete Medieval..

Eu fui uma criança sortuda! Lá em casa, no natal, tinha Papai Noel! E tinha também a vizinhança toda ceiando feliz! Era um verdadeiro Banquete Medieval, daqueles descrito no blog Rainhas do Lar pela Katita:

"É muito comum no Brasil, especialmente em famílias de classe média-baixa, a disposição de uma grande variedade de pratos diferentes por sobre a mesa, sob o pretexto de quem não gosta disso pode comer aquilo. E tome-lhe arroz, feijão, macarrão, farofa, maionese, frango, estrogonofe e tudo o mais que tiver em casa. Olha, eu entendo que tem gente que gosta de misturar os trem na hora de comer e a gente tem mais é que respeitar quem gosta, mas eu me sinto num filme chamado Invasões bárbaras, e embora eu goste muito do calor e do clima de festa e bagunça dessas casas comilonas, eu tenho muito medo de quem come feijão com macarrão.
Pronto, falei. Ufa! "

Eu fiquei tão feliz por ter passado minha infância transitando entre a classe média (média, média - como eu costumo dizer) e a classe média baixa! É o povo do subúrbio que faz festa pra rua toda, que bebe refrigerante e sangria, que vai na casa do vizinho que assa o Peru! Sim, pq para minha avó não havia natal sem peru e bacalhau. Na verdade, não havia natal sem peru, bacalhoada, salpicão, arroz de festa, arroz branco, farofa de miúdos, (muita) rabanada, salada de frutas, castanha cozida, figos, frutas secas (providencialmente quebradas com socador), frutas frescas, cerveja, guaraná, mineirinho, grapete, água tônica (quase não se via coca-cola lá por casa) e a sangria com vinho sangue de boi (dakeles de 10L, sabe?). Ah! E é claro, não há natal sem Papai Noel, então a anfitriã, D. Diva, mulher prendada, confeccionou uma linda roupa de Bom Velhinho. E nosso PPN tinha até sininho para comunicar a chegada, sempre amparado por minha dina Beth, ele trazia presentes não só para as crianças da casa, umas 5 ou 6, mas para TODAS as crianças da rua, olha que lindo! Ninguém saia de mãos vazias! Ninguém mesmo, nem os adultos, que recebiam os presentes que ficavam embaixo da árvore de natal. Ah, que saudades daqueles natais! Este é o segundo ano que eu sou a anfitriã! Não há mais a rua toda, mas a alegria ainda está presente! E o banquete (adivinha só..) também! :)
até o fim de novembro espero ter postado todas as receitas por aqui! ;)

beijinhos!

Um comentário:

Marli Sousa disse...

Olá sobrinha!!! Amei seu bloguxo, virei aqui sempre que puder. Ando numa correria só e quase sem tempo para a Net. Espero que esteja tudo bem com vcs.
Obrigada pela visitinha no meu cantinho, adorei ter vc lá.
Beijokas
Águamarinha